Coalizão Global lança pressão para reagendar a psilocibina sob regras internacionais

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Créditos: Pexels/Vikor Smith)

Curadoria, tradução e edição Sechat, com informações de Marijuana Moment (Kyle Jaeger)

Uma coalizão global anunciou uma nova campanha na terça-feira para que os cogumelos com psilocibina sejam remarcados internacionalmente.

À medida que o movimento de reforma psicodélica continua a se expandir internamente nos EUA, a International Therapeutic Psilocybin Recheduling Initiative (ITPRI) está buscando uma mudança de política mundial para facilitar a pesquisa sobre o potencial terapêutico da substância.

Os parceiros da coalizão incluem a Associação Multidisciplinar de Estudos Psicodélicos (MAPS), Fundação Beckley, Mind Medicine Australia, Drug Science e Open Foundation.

A iniciativa se concentra na programação internacional de medicamentos sob a Convenção das Nações Unidas de 1971 sobre Substâncias Psicotrópicas, que atualmente coloca a psilocibina na categoria mais restrita, Schedule I, que deve ser reservada para drogas que constituem “um risco especialmente grave” e têm “ usos terapêuticos limitados.

Os defensores dizem que a psilocibina não se encaixa em nenhum desses critérios.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Drogas de Classe I, como a psilocibina, estão “sujeitas a limites estritos em seu uso científico e médico”, disse a coalizão em um comunicado à imprensa. “O licenciamento do cronograma I, custódia segura, segurança, fabricação, quantidade e restrições de importação/exportação resultam em um nível de controle regulatório e supervisão que é drasticamente mais oneroso do que para os outros três cronogramas da Convenção.”

Consequentemente, os pesquisadores interessados ​​em estudar a substância controlada “enfrentam vários obstáculos regulatórios que aumentam significativamente o custo, a complexidade e a duração da pesquisa e podem afetar negativamente as aprovações éticas, financiamento e colaboração”.

Para reagendar a psilocibina sob a política internacional, a coalizão diz que, como primeiro passo, se envolverá com os países membros que fazem parte do tratado para iniciar uma revisão formal dos benefícios e riscos do psicodélico. Apenas um país precisaria solicitar a revisão da Organização Mundial da Saúde (OMS) da ONU para iniciar o processo.

“Dada a compreensão científica atual do alto valor terapêutico potencial da psilocibina e do baixo risco de dependência, uma mudança de seu status como droga de Classe I está muito atrasada”, disse Christopher Koddermann, cofundador do ITPRI e presidente do Conselho de Administração, em um comunicado. Comunicado de imprensa.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias 

Depois que o procedimento for iniciado por um país membro ou pela própria OMS, o Comitê Executivo sobre Dependência de Drogas (ECDD) do órgão internacional lançará uma revisão crítica sobre o assunto e fornecerá recomendações sobre uma possível mudança de política. Se a revisão resultar em uma recomendação de reagendamento, dois terços dos países signatários do tratado precisariam aprová-lo.

Há cerca de uma dúzia de países que o ITPRI identificou como possíveis portadores de uma petição de reagendamento de psilocibina, disse Koddermann ao Marijuana Moment. O Canadá é um dos principais alvos, pois o país já tomou medidas para afrouxar as restrições ao enteógeno em certos ambientes terapêuticos. Também legalizou a maconha em todo o país, desafiando os tratados internacionais.

“Procedimentos de Reprogramação sob a Convenção de 1971 oferecem uma oportunidade potencial de mudar o jogo para avançar ainda mais pesquisa e acelerar a aprovação de tratamentos para os pacientes”, Willem Scholten, ITPRI membro do Conselho Consultivo e ex-secretário do ECDD OMS, disse.

David Nutt, chefe do Centro de Pesquisa Psicodélica do Imperial College de Londres e fundador da Drug Science, parceira do ITPRI, acrescentou que a atual programação internacional de psilocibina “limitou severamente – e continua a limitar – a pesquisa em neurociência e o desenvolvimento de tratamentos para pacientes”.

Separadamente, a OMS também decidiu recentemente não recomendar que a kratom – uma planta elogiada por suas qualidades de alívio da dor – seja banida internacionalmente após uma revisão científica.

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

Antes da decisão, havia algumas preocupações de que o ECDD da OMS tomaria medidas para exigir o controle internacional sobre a kratom ou recomendar uma revisão crítica que poderia ter levado ao agendamento após outro inquérito de um ano.

Além disso, a Comissão de Narcóticos da ONU aprovou uma recomendação da OMS em 2020 para remover a maconha da categoria de programação global mais restritiva.

Enquanto isso, nos EUA, um ex-congressista republicano se juntou ao conselho de um grupo de defesa dos psicodélicos que trabalha para reformar as políticas federais em torno de plantas enteogênicas e fungos como a psilocibina.

Embora o Congresso ainda não tenha acabado com a proibição da maconha, a reforma dos psicodélicos também está gradualmente ganhando atenção na capital do país.

Por exemplo, um congressista recentemente começou a pedir a seus colegas legisladores que se juntassem a ele para solicitar que a Drug Enforcement Administration (DEA)  permitisse que pacientes terminais usassem psilocibina  como tratamento experimental sem medo de processo federal.

Uma carta que está sendo divulgada pelo deputado Earl Blumenauer (D-OR) observa que existem leis estaduais e federais de direito de tentar (RTT) que devem fazer com que certos pacientes possam obter o psicodélico, uma vez que mostrou potencial precoce em ensaios clínicos em andamento.

No entanto, a DEA negou o acesso,  resultando em uma ação movida em março passado por um médico do estado de Washington que buscou orientação federal para tratar pacientes terminais com cogumelos psilocibina e foi informado de que não havia uma via legal para fazê-lo.

O processo contra a DEA está atualmente no Tribunal de Apelações do Nono Circuito dos EUA, que ouviu argumentos orais no caso em setembro. O gabinete do procurador-geral do Estado de Washington juntou-se aos queixosos em apoio ao acesso à psilocibina. A DEA argumentou que o tribunal deveria arquivar o processo porque não tinha jurisdição.

Blumenauer disse separadamente ao Marijuana Moment no mês passado que está “empolgado” com os avanços na pesquisa de psicodélicos, bem como com a implementação de um programa de terapia com psilocibina que está sendo estabelecido em seu estado natal, Oregon, onde os eleitores aprovaram a reforma histórica durante a eleição do ano passado.

Os legisladores republicanos na Câmara e no Senado também introduziram legislação no final do mês passado que tornaria mais fácil para os cientistas pesquisar drogas da Classe I,  como maconha e psilocibina.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER