Poderia a Ásia ser o próximo local para pacientes e empresas de maconha medicinal?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
construcao-religiosa-na-tailandia
Construção religiosa na Tailândia (Créditos da imagem: Pexels)

Curadoria e tradução Sechat, com informações de Canex (Roland Sebestyén)

Após o anúncio do governo nepalês de que estava considerando legalizar a cannabis medicinal no país do antigo “paraíso hippie”, outro país asiático também reconheceu o potencial medicinal da planta.

De acordo com o Code Blue, a Malásia pode ser o próximo país da Ásia a legalizar a cannabis medicinal. A questão da legalização da cannabis medicinal tem sido um debate contínuo no país, mas a história ainda está longe de terminar.

Atualmente, a Malásia tem algumas das leis de cannabis mais rígidas do mundo – aqueles que forem pegos com até 50 gramas de cannabis podem ser sentenciados a dois a cinco anos de prisão, bem como chicotadas.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Os traficantes de drogas, ou aqueles encontrados em posse de mais de 200 gramas, ainda podem ser condenados à morte.

O atual ministro da Saúde, Khairy Jamaluddin, disse que o Ministério da Saúde do país (MOH) “reconhece o uso de cannabis para fins medicinais”.

De acordo com o MOH, os produtos de maconha devem ser registrados na Drug Control Authority (DCA). A importação só pode ser feita por importadores licenciados que tenham todas as licenças necessárias.

Pacientes com necessidades especiais podem receber prescrição de produtos de cannabis medicinal por médicos registrados.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Em uma resposta escrita a um deputado, o Sr. Jamaluddin disse: “Portanto, se houver partes que tenham evidências científicas suficientes para usar cannabis (cânhamo) para qualquer finalidade medicinal, levando em consideração os aspectos de qualidade, segurança e eficácia, então o pedido para registrar produtos de cannabis para fins medicinais pode ser submetido ao DCA para ser avaliado e registrado sob o Regulamento de Controle de Drogas e Cosméticos de 1984, a fim de ser comercializado na Malásia. ”

Esta notícia chega apenas semanas depois de um relatório do Nepal  no qual foi revelado que ativistas e defensores apresentaram no parlamento um projeto de lei para legalizar a cannabis medicinal para pacientes que sofrem de doenças graves e dores que mudam vidas.

O Nepal tem uma longa história com a cannabis. Quase dois anos atrás , um total de 46 parlamentares do governante Partido Comunista do Nepal apresentou uma moção ao parlamento defendendo a legalização da cannabis.

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

Em um país onde o uso de cannabis tem uma longa e profunda história, a proibição não tem sido muito eficaz em coibir o uso.

O mesmo acontece com a Tailândia , onde, após anos de consideração, o governo introduziu no ano passado uma nova legislação para permitir o uso da maior parte da maconha e do cânhamo em cosméticos e alimentos.

A Tailândia se tornou o primeiro país da Ásia a legalizar a cannabis medicinal em 2018 e, desde então, introduziu regras que permitiriam às famílias formar grupos comunitários para cultivar cannabis  e fornecer a safra para hospitais públicos e instalações estatais, como forma de complementar sua renda.

Se mais países na Ásia optassem por abraçar o potencial medicinal da cannabis, a região poderia se tornar um dos maiores hotspots do mundo para os pacientes.

Embora possa parecer uma ilusão, um país como a China, que tem uma das maiores indústrias de cânhamo do mundo, poderia traduzir essas habilidades na criação de uma enorme indústria de cannabis medicinal na Ásia.

VEJA TAMBÉM:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER