Austrália rejeita psicodélicos para uso terapêutico

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Créditos da imagem: Pexels)

Curadoria, tradução e edição Sechat, com informações de High Times

O regulador médico da Austrália rejeitou na última quarta-feira a oferta para aprovar o uso terapêutico de psicodélicos, dizendo que os riscos das drogas superam os potenciais benefícios à saúde mental. Em uma decisão final da Therapeutic Goods Administration (TGA), a agência recusou-se a aprovar um pedido para alterar os padrões de veneno da Austrália reclassificando a psilocibina e o MDMA como substâncias controladas de Anexo 8 em vez de seu status atual como substâncias proibidas de acordo com o Anexo 9.

Segundo a decisão, os psicodélicas não estarão disponíveis para uso como drogas terapêuticas para tratar problemas de saúde mental graves, uma prática que está ganhando aceitação por muitos terapeutas. Estudos demonstraram que as drogas têm potencial para tratar depressão, ansiedade e dependência. 

Mas o TGA observou que grande parte da pesquisa até o momento foi conduzida em ambientes estritamente controlados, potencialmente limitando o valor terapêutico prático dos psicodélicos. A agência também citou o temor de que a legalização dos medicamentos para uso terapêutico levaria ao uso indevido dos medicamentos em aplicações não clínicas.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

“O benefício é muito limitado porque os estudos com psilocibina indicam apenas valor terapêutico potencial em circunstâncias em que o tratamento foi fornecido a indivíduos no contexto de um ensaio clínico”, escreveu o TGA em sua decisão final de 15 de dezembro. 

“Em relação aos riscos, estou satisfeito que a psilocibina representa um grande perigo para os efeitos agudos e de longo prazo, se abusada ou mal utilizada por meio de acesso fora de ambientes de pesquisa médica e científica estritamente controlados”, escreveu o autor da decisão da agência. “Dado este risco aumentado para os indivíduos de efeitos agudos e de longo prazo, um alto nível de controle em toda a cadeia de abastecimento compatível com o Cronograma 9 é garantido.”

O Royal Australian e o New Zealand College of Psychiatrists não apoiaram o pedido de reclassificação de psilocibina e MDMA, de acordo com a declaração da TGA. A Associação Médica Australiana também opinou, pedindo mais pesquisas usando estudos maiores e de alta qualidade para determinar a segurança e a eficácia do uso terapêutico dos medicamentos.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Decisão é um ‘retrocesso’ para a Austrália

Dr. John Huber, o fundador e CEO da plataforma de consultoria de terapia psicodélica Tripsitter Clinic, diz que “a decisão da Austrália de rejeitar o uso de MDMA e cogumelos psilocibina para uso clínico é um retrocesso”. 

“A declaração de que não há pesquisas suficientes limita a capacidade da Austrália de conduzir qualquer pesquisa sobre os benefícios da terapia psicodélica”, escreveu Huber em um e-mail para o High Times . “Essa forma de pensar suprime o progresso e retrata as ideologias dos anos 1960. A pandemia teve um grande impacto na saúde mental das pessoas, e os líderes políticos precisam se atualizar e expandir o acesso aos serviços de saúde mental neste momento de necessidade ”.

O CEO da Ei.Ventures, startup de medicamentos psicodélicos sediada no Havaí, David Nikzad, observou que a decisão da TGA é inconsistente com os esforços recentes de reforma psicodélica. O Canadá tomou medidas para disponibilizar a psilocibina aos terapeutas para uso clínico, e a legalidade dos cogumelos mágicos na Jamaica levou ao surgimento de retiros psicodélicos no país caribenho.

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

Além disso, o Oregon legalizou a psilocibina para tratamento de saúde mental supervisionado e vários municípios dos EUA, incluindo Oregon, Detroit, Seattle, Oakland e Denver, aprovaram medidas para descriminalizar algumas drogas psicodélicas e plantas e fungos enteogênicos.

“Achamos isso muito decepcionante e contrário à tendência maior de os psicodélicos serem descriminalizados ou aprovados para uso médico em várias jurisdições em todo o mundo”, disse Nikzad. “Esperamos que a Austrália mude de idéia quando os estudos em andamento derem mais crédito a trabalhos anteriores que mostram a eficácia do uso da psilocibina para resultados positivos de saúde mental em ambientes clínicos.”

“É realmente uma pena que esse pensamento desatualizado esteja sufocando o avanço na importante arena dos psicodélicos e da saúde mental, quando esses produtos naturais poderiam ajudar tantas pessoas com depressão, ansiedade e outros problemas de saúde mental”, acrescentou.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER