Argentina: Cooperativas de Cannabis exigem medidas para promover sua atividade

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Industria Cannabis)

Curadoria e edição Sechat, com informações de El Planteo

O processo estava pendente para o ano que vem devido à falta de quorum na Câmara dos Deputados após a mudança legislativa.

Tais regulamentações poderiam permitir que eles tivessem um arcabouço legal para a produção de cannabis e seus derivados sem o assédio das forças de segurança. Além disso, empregos seriam criados na economia popular; e um espaço seria aberto para que o negócio não ficasse apenas nas mãos das grandes capitais. É que as associações produzem óleos e têm conhecimento sobre o cultivo, mas devido ao seu estatuto legal não podem gerar lucro com essas atividades.

Nesse contexto, organizações que reúnem cooperativas, pequenos produtores e ONGs relatam atrasos no registro do REPROCANN. Além disso, anunciaram que apresentarão uma proteção coletiva para exigir que o Ministério da Saúde “habilite os mecanismos de registro de organizações que fornecem maconha aos seus parceiros”, afirmaram em nota.

“Somos produtores de cannabis há muito tempo e um elo na economia popular que fornece aos pacientes do uso medicinal”, disse Estela Carrizo , membro da cooperativa Verde Mar e chefe da Rede de Pessoas com HIV / AIDS , a Industria Cannabis de Mar del Plata. Essa entidade defende os direitos das pessoas com a doença e fornece cannabis medicinal para acompanhar seus tratamentos em parceria com agricultores familiares e cooperativas.

Encontro nacional

No último fim de semana, esta Rede organizou em Mar del Plata um encontro de cooperados e agricultores familiares de Mendoza, San Luis, San Juan, Córdoba, Santa Fé, Rio Negro, Buenos Aires e CABA. Lá, eles definiram uma série de demandas. “Vamos entrar com um amparo porque ainda não nos juntamos às organizações como fornecedores para nossos usuários”, disse Carrizo. Ele também questionou que eles estão atualmente em um “vácuo jurídico”.

“Durante o encontro, buscamos soluções para tornar o acesso à cannabis mais rápido e eficaz para os pacientes que dela precisam. E estabelecemos quais passos tomar e com quais ferramentas trabalhar dentro do que a lei nos permite ”, acrescentou.

Economia social

A economia social desempenha um papel importante na cadeia da cannabis e sua distribuição nas comunidades. Isso se deve ao fato de os pequenos produtores possuírem experiência na produção e conhecimento sobre o cultivo e os usos medicinais, terapêuticos e paliativos da planta.

O projeto de lei que regulamenta o setor -que já foi aprovado pelo Senado- contempla esses setores e aponta para o seu desenvolvimento a partir de fundos especiais de financiamento e assistência técnica. “A lei não foi discutida, o verão começa e vamos continuar sem proteção”, alertou Carrizo.

“As forças de segurança e o proibicionismo tentam frear o avanço dos agricultores, cooperativas e ONGs no cenário atual”, afirmam as entidades. “Esses atores estão inseridos nos territórios, nas cadeias produtivas, no tecido da economia popular, por isso é necessário dar-lhes os instrumentos formais para o desenvolvimento cada vez mais otimizado da atividade”, afirmaram.

Jonathan Thea, chefe de gabinete do Instituto Nacional de Associativismo e Economia Social (INAES), disse que o objetivo dessa organização é reforçar o financiamento às cooperativas que se dedicam à produção de cannabis medicinal e de maconha industrial e agilizar a sua adesão.

“Temos dois objetivos principais: criar um fundo de crédito fora do setor bancário para cooperativas, que servirá para apresentar propostas e se desenvolver na indústria da cannabis, e agilizar as inscrições”, disse Thea durante palestra organizada na Expo. Cannabis em outubro. Lá, ele expressou seu apoio à lei que cria o marco regulatório do setor. Ele também frisou que participarão do seu regulamento, se aprovado, “para que cooperativas e mútuas sejam incorporadas em toda a cadeia produtiva”.

Informações:  Industria Cannabis

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER