Ganha força no Brasil o uso do canabidiol para emagrecer

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
estudos-com-canabidiol-para-obesidade
Ganha força no Brasil o uso do canabidiol para emagrecer (Créditos da imagem: Pexels/Jennifer Enujiugha)

Curadoria e edição Sechat, com informações de O Globo

SÃO PAULO – Nos últimos tempos, cresceu o número de pacientes com diabetes e dores crônicas que passaram a chegar no consultório da nutróloga Marcia Tornavoi, em São Paulo, com uma característica em comum: estavam obesos. A médica, então, decidiu receitar o canabidiol como tratamento complementar. E comprovou na prática um efeito colateral espetacular já documentado em diversos estudos internacionais: a perda de peso com o composto medicinal da cannabis.

O uso do canabidiol contra a obesidade está associado ao chamado sistema endocanabinoide que, descoberto há somente cerca de 20 anos, é o grande protagonista dessa perspectiva terapêutica. Trata-se de um grupo de moléculas mensageiras que atuam amplamente no organismo em diversos tecidos e órgãos, como sistema nervoso, esquelético, cardiorrespiratório, adiposo, hepático, gastrointestinal, pele, aparelho excretor e reprodutor entre outros. 

Quando esse sistema está descontrolado, dificulta a ação dos outros. O canabidiol o regula. Quando o sistema metabólico está em equilíbrio, diminui apetite, saciedade e desejo por comidas açucaradas, por exemplo. São ações conjugadas que o canabidiol acaba fazendo — afirma a nutróloga, destacando ainda a ação do tratamento contra a ansiedade e questões hormonais.   

Não é só isso. O canabidiol atua na leptina, hormônio produzido pelas células de gordura, que controla o apetite e saciedade. Dois principais receptores canabinoides são os chamados CB1, presentes principalmente no cérebro e sistema nervoso, e CB2, que ficam mais no sistema imune. Nas pessoas com obesidade, os CB1 se espalham pelo corpo, especialmente no tecido adiposo. Pesquisadores italianos da Università degli Studi della Campania Luigi Vanvitell, em Nápoles, na Itália, conduziram um estudo no qual indicam que o canabidiol poderia bloquear esses receptores, controlando, portanto, o apetite.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Uma outra linha de pesquisa indica que o canabidiol pode converter tecido adiposo branco em marrom, ou seja, músculos, melhorando metabolismo e aumentando o gasto energético, como mostra estudo feito pelo Departamento de Biotecnologia da Universidade Daegu, na Coreia do Sul. 

A maior parte das pessoas (e muitos médicos) ainda não tem conhecimento de que a cannabis ajuda no processo de emagrecimento. Assim, os pacientes chegam com outros tipos de doença, como insônia, ansiedade, depressão, hipertensão e diabetes e têm a perda de peso como efeito colateral.

Os canabinoides também trabalham no sistema que controla o resto todo, ajudando, assim a diminuir outras medicações e tudo vai voltando para um eixo melhor — diz Tornavoi.

A médica Thais Perlingeiro, que tem formação em endocrinologia e em medicina canábica, usa o canabidiol de forma complementar aos medicamentos análogos de GLP 1 contra a obesidade, a classe de remédios emagrecedora mais moderna. O resultado é a perda de cerca de 10% do peso.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Os resultados de perda de peso são maravilhosos. A medicação convencional provoca náusea e o canabidiol combate a náusea. O tratamento também é melhorado porque a obesidade tem muitos fatores envolvidos, de ansiedade, inflamação, insônia… Essa abordagem multifatorial é importante porque não dá para colocar só na conta de um receptor — afirma.

Ainda não há estudos de que isolaram um grupo de pessoas com obesidade e trataram com canabidiol versus um grupo placebo e comparar o resultado. O neurocientista e pesquisador da Universidade Federal de São Paulo, Renato Filev, explica que um dos obstáculos ainda existentes para as pesquisas com canabidiol é tentar cruzar informações sobre o sistema endocanabinoide, que é personalizado como uma impressão digital, às diversas moléculas da cannabis.

A mesma enfermidade pode necessitar de perfis diferentes, concentrações diferentes, doses diferentes. Não é como a dipirona que 500 mg curam a dor de cabeça de 80% das pessoas. Tem nuances que dificultam essa estratégia. Por isso, atualmente o mais importante é que os médicos estejam preparados para analisar cada caso e fazer a prescrição individualizada — diz.

Outros usos

O canabidiol é um dos mais de 500 compostos encontrados na cannabis e, sem dúvida, o de maior interesse da ciência. Encontrado em pequeno volume no caule e na folha da erva Cannabis, não é psicoativo nem tóxico. Não causa dependência, não altera o raciocínio. Os usos consolidados e comprovados da cannabis medicinal são para epilepsia, dor crônica, náusea ou vômito provocados por quimioterapia e espasmos em decorrência de Parkinson e esclerose múltipla.

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

As outras utilizações têm nível moderado, leve ou inconclusivo de evidências, embora muitos médicos e pacientes tenham certeza da sua efetividade. Assim, há estudos no mundo inteiro para uma grande variedade de enfermidades como Covid-19, TOC, depressão, insônia, ansiedade, transtornos por uso de drogas, burnout, transtornos do espectro autista, psicose, Alzheimer, Parkinson, Transtornos de Estresse Pós-Traumático, endometriose,  enfermidades metabólicas, como resistência à insulina e intolerância à glicose, além da própria obesidade.

O neurocientista conta que alguns pacientes, com epilepsia, por exemplo, se tratam com o canabidiol mas podem necessitar de outras moléculas da cannabis, como o THC. Assim, as doses são testadas na prática e aumentadas gradualmente a fim de encontrar a dose desejada.

As descobertas do canabidiol são recentes e envolvem cientistas brasileiros. No início dos anos 60, o bioquímico israelense Raphael Mechoulam isolou a estrutura química do composto. Ao longo de uma década achava-se que era um composto inativo, sem nenhuma ação específica. Nos anos 70, um grupo brasileiro liderado pelo pesquisador Elisaldo Carlini (1930-2020) identificou os efeitos antiepiléticos.

VEJA TAMBÉM:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER