A evolução de Joe Biden na política de drogas

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Ao longo de décadas de evolução política, o presidente Biden suavizou sua visão sobre as políticas de drogas e usuários de substâncias (Foto: Reprodução/BBC/Reuters)

Curadoria e edição de Sechat Conteúdo, com informações de Reality Sandwich (Holly Crawford)

As primeiras opiniões de Biden sobre o abuso de substâncias

Com uma carreira política tão longa quanto a de Joe Biden, é provável que ocorram mudanças observáveis ​​em suas opiniões sobre vários tópicos importantes. As opiniões de Biden sobre as políticas de drogas são um exemplo dessa evolução. Antes um político inflexível, Biden falhou em ver quaisquer qualidades resgatáveis ​​nos usuários de drogas. Agora, ele é um defensor da reabilitação e do fim da crescente crise de opioides. 

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

Político duro

Como senador, Biden era um defensor de penas severas para qualquer pessoa que usasse ou vendesse drogas. 

Entretanto, como acontece com muitos desafios da vida, nossa perspectiva muda quando algo preocupante afeta a nós ou a nossos entes queridos. Todavia, não é segredo que o filho de Biden, Hunter, tem um histórico de dependência de drogas, recaídas e tentativas contínuas de reabilitação.

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Sob a legislação anterior de Biden

Sobretudo, a Guerra às Drogas falhou de várias maneiras, levando à corrupção, fraude, violência e morte. As políticas de drogas do passado não deixavam espaço para explorar a raiz do abuso e do vício de drogas. Quando os legisladores abordaram as causas do vício e do abuso, raramente consideraram a saúde mental, o histórico familiar e as influências socioculturais. Mas, em vez disso, eles escolheram condenar os usuários de drogas como fracassos sociais irredimíveis. Como senador, as políticas de drogas de Joe Biden eram muito diferentes daquelas que acreditamos que ele representará hoje como presidente.

Portanto, como país, onde os Estados Unidos esteve e para onde vai?

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Lei Antidrogas Abuso de 1986

Em 1986, o uso e a disponibilidade de crack dispararam. Isso levou ao que o país chama de “epidemia de crack”. Após a morte de dois jovens atletas profissionais por overdose de cocaína, o representante dos EUA Thomas P. O’Neill colocou o Partido Democrata para trabalhar em um projeto de lei que se tornaria a Lei Antidrogas Abuso de 1986.

Joe Biden, então um senador de 44 anos de Delaware, elaborou a legislação bipartidária. Ele redigiu a lei para autorizar novos financiamentos para programas de tratamento de drogas e penas mais severas para crimes relacionados a drogas. O apoio foi esmagador, e o presidente Ronald Reagan sancionou o projeto de lei. No entanto, essa legislação mudou o sistema de tratamento de delitos de drogas de liberação supervisionada pelo governo federal, com a reabilitação como objetivo principal, para um sistema totalmente punitivo.

>>> Sechat divulga gratuitamente serviços de 118 médicos prescritores de Cannabis Medicinal

Além disso, a Lei do Abuso de Drogas exigia uma sentença mínima obrigatória de cinco anos de prisão para crimes de drogas que envolvessem: “5 gramas de crack, 500 gramas de cocaína, 1 quilo de heroína, 40 gramas de uma substância com um quantidade de fentanil, 5 gramas de metanfetamina, 100 quilogramas ou 100 plantas de cannabis e outras drogas.”

Ambições do ato RAVE de 2001 

Além da devastação causada pela epidemia de crack, Biden tinha uma visão rígida sobre o uso do ecstasy – ou MDMA -, especialmente quem promove ou hospeda raves. A cultura rave estava atingindo seu auge em 2001, e o senador Biden estava nos Comitês de Relações Exteriores e Judiciário do Senado. Em seguida, o Congresso do Senado sobre Controle Internacional de Narcóticos promoveu uma audiência naquele ano, coberta pela C-SPAN.

>>> Sechat confirma para 2021 o maior evento sobre Cannabis Medicinal no Brasil

Assim nasceu a Lei RAVE, que significa Reduzir a Vulnerabilidade do Americano ao Ecstasy. O senador Biden foi inflexível em sua política e severo em seu julgamento, alegando que qualquer pessoa ligada à criação, promoção, consumo ou posse de ecstasy enfrentaria as mais severas penalidades legais.

A Lei Anti-Proliferação de Drogas Ilícitas 

O Congresso aprovou a Lei Anti-Proliferação de Drogas Ilícitas em 2003. Sua intenção era alterar a Lei de Substâncias Controladas, proibindo “conscientemente alugar, usar ou lucrar intencionalmente com qualquer lugar (bem como abrir qualquer local, conforme previsto na legislação em vigor), de forma permanente ou temporária, para fins de fabricação, armazenamento, distribuição ou utilização de substância controlada.”

>>> O que a vitória de Joe Biden pode significar para o cenário da Cannabis em 2021

Este ato autorizou o tribunal a “repartir a pena entre vários infratores, mas tornar cada infrator conjunta e solidariamente responsável”. Também permitiu que a DEA nomeasse um Coordenador de Redução da Demanda em cada estado. O objetivo desta regra era educar os jovens e os mais velhos sobre os perigos relativos às drogas de festas.

Como presidente eleito 

Ao longo de décadas de evolução política, o presidente Biden suavizou sua visão sobre as políticas de drogas e usuários de substâncias. Sem dúvida, isso se deve em parte às lutas que seu filho enfrentou, mas talvez também porque viu o fracasso de suas antigas políticas de drogas. Consequentemente, os planos do presidente Biden para o futuro da América incluem o combate à crise dos opioides e a continuação da descriminalização da cannabis.

O Plano Biden para acabar com a crise dos opioides

O presidente Biden acredita que todas as pessoas devem ter acesso a cuidados de saúde de alta qualidade, incluindo aqueles que procuram tratamento para o abuso de substâncias e serviços de saúde mental. Essa perspectiva reflete seu envolvimento e apoio ao Obamacare, que atribuiu esses dois tipos de serviços como benefícios essenciais que as seguradoras devem cobrir. O presidente Biden está, portanto, procurando expandir esses dados como o primeiro passo para encerrar a crise dos opioides.

Além disso, ele planeja responsabilizar a Big Pharma por seu papel em estimular esta crise e continuar a capacitar viciados e usuários de drogas. Seu plano incluirá a remoção de quaisquer incentivos de médicos e outros prescritores. Ele também acredita que os EUA são uma nação com excesso de prescrições. Portanto, ele está empenhado em atender às necessidades dos pacientes em relação ao tratamento da dor de maneira segura e prática, expandindo a cobertura para incluir tratamentos alternativos.

>>> Câmara dos Estados Unidos aprova lei que legaliza a cannabis em nível federal

Como muitos usuários de opioides estão obtendo ilegalmente suas drogas, o presidente Biden visa impedir o fluxo de drogas, como fentanil e heroína, de entrar nos Estados Unidos vindos de territórios externos, especificamente China e México.

Além disso, Biden não acredita que ninguém deva ser encarcerado apenas por uso de drogas. Ele declarou publicamente sua intenção de reformar o sistema de justiça criminal para refletir essa crença. Consequentemente, o sistema legal desviará esses indivíduos dos tribunais federais para os tribunais de drogas. Biden também acredita em incentivar cada estado a implementar as mesmas práticas.

Opiniões sobre descriminalização da cannabis

Como parte de seus esforços para reformar as políticas de drogas, o presidente Biden assume uma posição firme sobre a descriminalização da cannabis. Ele acredita na reabilitação obrigatória e sugere a construção de moradias para que as pessoas se submetam à reabilitação até que estejam mentalmente, emocionalmente e fisicamente bem o suficiente para retornar à sociedade. 

Resultado

Embora possa parecer fácil julgar as políticas de drogas anteriores de Joe Biden, é importante lembrar como eles eram. Como um político em ascensão, Biden estava redigindo legislação após a Guerra às Drogas de Richard Nixon. Os primeiros casos de AIDS foram relatados nos Estados Unidos em 1981, e as pessoas estavam tomando uma overdose de estimulantes e opioides em taxas aumentadas. Em vez de buscar reforma, a abordagem era erradicar, por todos os meios necessários. Como sabemos, isso não funcionou e não funcionará.

O presidente Biden está liderando o país em um clima político muito diferente em 2021. Sua abordagem de prevenção e reabilitação mostra que ele mudou de uma visão firme do uso de drogas a todo custo para uma de mais leniência. 

Confira outros conteúdos sobre a cannabis nos Estados Unidos publicados pelo Sechat:

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese