Tendências para ficar atento em 2022 no mercado da cannabis

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Por Marcelo De Vita Grecco

Primeiramente, quero agradecer este importante espaço, neste prestigioso canal de comunicação com o público do universo da cannabis. Por aqui, tenho conseguido expor meus pensamentos, pontos de vista, além de dividir com o público do Sechat as novidades a que tenho tido acesso.

Desejo ainda muita saúde, paz e harmonia, para este ano que se inicia, em meu nome e de meus sócios na The Green Hub, Alex Lucena e Marcel Grecco. Espero que, muito em breve, tenhamos superado esse período difícil a que a pandemia nos tem imposto nesses quase dois anos.

Dito isso, também quero dividir com vocês algumas tendências que tenho observado em minhas viagens, congressos e feiras ao longo do ano passado. É bom ficar sempre atento a tudo o que está despontando pelo mundo afora em torno do mercado e dos negócios da cannabis.  

O quem vem por aí no mercado da cannabis!

Uso medicinal – atributo mais popular da planta, pelo menos no Brasil, a tendência é de surgirem produtos cada vez mais avançados e fáceis de usar, e com benefícios médicos cientificamente comprovados. Inovações nessa área, como o sequenciamento do DNA da planta, que abre caminho para a produção de canabinóides bio-sintéticos, vão tornar a cannabis uma solução completa para todas as necessidades medicinais. 

Ainda na área medicinal, ganha cada vez mais relevância o emprego do CDB derivado do cânhamo. E, segundo especialistas, essa tendência de crescimento deve manter-se em 2022. O produto oferece muitos benefícios medicinais com a vantagem de não apresentar efeitos psicoativos. 

A utilização de técnicas de nanoencapsulação também tende a crescer na aplicação medicinal, garantindo o mesmo benefício, mas com doses menores, proporcionando economia no tratamento. 

Globalização – Na medida em que se difundem pelo mundo o conhecimento e todos os benefícios da planta, também aumenta o interesse pela produção e comercialização dos produtos à base de cannabis e, consequentemente, o número de players neste mercado. Por isso, a tendência é de o mercado legal da cannabis tornar-se cada vez mais globalizado nos próximos anos. As empresas que já atuam nesse segmento vão passar a disputar mais mercados mundo afora, com tendência de intensificação das operações de importação e exportação de insumos e de produtos elaborados.

Fusões e Aquisições – Enquanto no Brasil ainda nem sequer temos um marco regulatório estabelecido, em outros países, como Estados Unidos e Canadá, já se fala em fusões e aquisições de negócios voltados ao mercado da cannabis. Essa tendência deve crescer em 2022, pois grandes empresas de cannabis têm mais facilidade de acesso a crédito do que as empresas menores do setor. Isso sem contar que o aumento de escala e de participação de mercado também favorecem os negócios. Esse movimento deve crescer ainda com o interesse de companhias de bebidas e de tabaco de abocanhar uma parcela do mercado de cannabis por meio de M&A.

Mercado acionário – Muitos papéis de companhias com foco em negócios voltados à cannabis serão boas oportunidades de diversificação de investimento no mercado acionário em 2022. Principalmente, nos EUA, onde se aguarda a definição de uma política federalizada menos restritiva em relação à cannabis. Embora os analistas de mercado alertem para a volatilidade desse tipo de ativo, provavelmente as ações tendem a se valorizar no médio e longo prazos.

Bem-estar – O mercado de cannabis voltado para o bem-estar tende a continuar crescendo em 2022. Há quem aponte que esse segmento pode atingir cifras bilionárias em negócios pelo mundo. Como os consumidores dessa área já estão habituados com o mercado de suplementos, isso facilitaria o desenvolvimento desse mercado. A tendência é de que os produtos derivados da cannabis sejam incorporados no dia a dia de treinos de milhões de pessoas pelo mundo.

Alimentos e bebidas – As bebidas à base de cânhamo tendem a apresentar-se ainda mais como alternativas ao álcool em ambientes sociais. É uma nova categoria de produtos que vai ser explorada para atrair os consumidores interessados no universo da cannabis. Na medida em que mais consumidores descobrem as propriedades benéficas do cânhamo e da cannabis, os fabricantes que atuam no segmento começarão a criar mais opções para esse mercado. 

Em alimentos, cogumelos e cânhamo têm benefícios complementares, incluindo propriedades de reforço imunológico e qualidades neuroprotetoras. A tendência é de essas misturas, atualmente no mercado em várias formas, incluindo chás, tinturas e cápsulas, crescerem mais ainda. Alguns fabricantes de alimentos à base de cannabis e de cânhamo também enxergam como tendência o desenvolvimento de cápsulas de alimentos à base de cannabis de liberação mais prolongada.

Também começa a se popularizar uma nova técnica de extração que infunde gomas de CBD com Delta-9 derivado de cânhamo, também chamada de CBD com sensação. As gomas têm menos de 0,3% de THC, mas dão um leve efeito psicoativo.

Tecnologia – O desenvolvimento contínuo de novas tecnologias também é uma tendência para o setor nos próximos anos. O mercado da cannabis ainda vai se inserir cada vez mais à Internet das coisas. Um número crescente de ferramentas de consumo e de produtos de cannabis vai abraçar essa nova tecnologia, gerando muito mais detalhamento de informações a respeito desse mercado. Programas voltados ao rastreamento devem passar a agregar novas aplicações. Podem passar a gerenciar informações detalhadas do produto e das vendas, podendo ser interligados a ferramentas de CRM.

No mundo – Eu vejo 2022 como um ano marcante para a indústria global da cannabis. Vários mercados importantes no mundo deverão direcionar esforços para a legalização no próximo ano. Na União Europeia, por exemplo, o destaque é para a possibilidade de legalização do uso adulto na maior economia do bloco. A Alemanha caminha nessa direção, com a chegada ao poder da nova coalização, liderada pelo novo chanceler alemão, Olav Schols, que substitui Angela Merkel, que ficou por 16 anos no poder. Outros países do bloco também devem caminhar na mesma direção.

Espero que esta minha contribuição seja útil e traga insights importantes a todos vocês que acompanham meus artigos por aqui. A ideia foi mostrar, na minha modesta opinião, para onde caminha a indústria da cannabis e as inovações que devem impulsionar o futuro da indústria.

Aproveito e vos convido a continuarmos nessa troca de ideias e de pontos de vista no esforço de contribuir para a construção no Brasil da nossa cadeia produtiva da cannabis.

As opiniões veiculadas nesse artigo são pessoais e de responsabilidade de seus autores.

Sobre o autor:

Marcelo De Vita Grecco é cofundador e CMO da The Green Hub.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese