Como a cannabis e os canabinóides podem ser úteis para melhorar o sono?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Créditos da imagem: Pexels/Ketut Subiyanto)

Curadoria, tradução e edição Sechat, com informações de Canex (Emily Ledger)

Cannabis e produtos à base de canabinóides são cada vez mais consumidos por um amplo grupo demográfico com o objetivo de melhorar as condições de sono, como a insônia. Acredita-se que os distúrbios do sono afetam pelo menos 20% da população. No entanto, os números sugerem que até um terço das pessoas no Reino Unido podem sofrer de insônia crônica.

A melhora do sono está se tornando rapidamente uma das razões mais comumente relatadas para o uso de cannabis medicinal e adulta e produtos canabinoides.

Uma pesquisa com adultos que visitam dispensários de cannabis nos EUA descobriu que 74% dos participantes relataram usar cannabis para melhorar o sono. Desse grupo, 84% também relataram que o uso de cannabis os ajudou a reduzir ou interromper a medicação para dormir. Além disso, uma pesquisa internacional, realizada por 953 participantes de 31 países, também indicou que os distúrbios do sono estavam entre as cinco principais doenças para as quais usaram cannabis medicinal.  

Um grande número de estudos e testes avaliaram os efeitos dos produtos à base de cannabis no sono prejudicado. Duas revisões sistemáticas analisaram os resultados desses estudos, no entanto, nenhuma das revisões conduziu uma meta-análise para agrupar as estimativas de efeito ou avaliou a certeza das evidências. Além disso, a pesquisa bibliográfica de uma dessas revisões tornou-se desatualizada. 

Uma revisão sistemática mais recente , portanto, teve como objetivo avaliar a evidência existente do potencial da cannabis medicinal e dos canabinoides no tratamento de distúrbios do sono e abordar as limitações de revisões anteriores.  

Estudos incluídos na revisão 

Os estudos foram considerados elegíveis se fossem ensaios clínicos randomizados (RCTs) e se eles 1) incluíssem pacientes com idade igual ou superior a 18 anos com sono prejudicado; 2) randomizou-os para qualquer forma de cannabis medicinal ou canabinoide versus um controle sem cannabis; 3) dados de resultados coletados pelo menos 14 dias após o tratamento. 

Ensaios que incluíram tratamentos abertos, ensaios que envolveram indivíduos que usam cannabis para fins adultos e estudos que exploram o tratamento para o transtorno por uso de cannabis ou abstinência de cannabis foram excluídos da revisão. 

Resultados da revisão 

Um total de 136 artigos foram revisados ​​em texto completo e 38 publicações relatando 39 RCTs com 5.100 pacientes inscritos, preencheram os critérios de elegibilidade.  

Embora os estudos incluídos tenham usado vários instrumentos para medir a qualidade do sono e os distúrbios do sono, a medida mais comumente relatada foi a escala visual analógica (VAS) de 10 cm. Portanto, os pesquisadores converteram outras medidas para um VAS de 10 cm, desde que tivessem pelo menos quatro categorias de opções de resposta. 

Qualidade do Sono 

Evidências de 16 ECRs sugerem que, em comparação com o placebo, a cannabis medicinal e os canabinoides resultam em um pequeno aumento no número de pacientes que experimentam uma melhora na qualidade do sono igual ou acima do MID (a menor quantidade de melhora que os pacientes reconhecem como importante). 

Da mesma forma, mais quatro estudos que não relataram dados adequados para agrupamento também descobriram que a cannabis medicinal melhorou significativamente a qualidade do sono, em comparação com o placebo. 

Distúrbios de sono 

Os pesquisadores também identificaram que o uso de canabinóides foi associado a um pequeno aumento no número de pacientes que relataram menos distúrbios do sono, em comparação com o placebo.  

Além disso, evidências de alta certeza de pessoas que vivem com dores crônicas não oncológicas mostraram que, em comparação com o placebo, os canabinóides aumentaram a proporção de pacientes que apresentaram redução dos distúrbios do sono. Evidências de certeza moderada coletadas de 5 ensaios clínicos randomizados de pessoas que vivem com dor crônica de câncer descobriram que a cannabis medicinal resulta em uma melhora muito pequena na perturbação do sono, em comparação com o placebo. 

Outros resultados relacionados ao sono 

Os pesquisadores também encontraram evidências de um estudo incluído que sugere que a nabilona (um canabinóide sintético semelhante ao THC) pode reduzir a frequência e intensidade dos pesadelos em pacientes com PTSD. No entanto, não foram identificados benefícios significativos para o tempo total de sono ou número de despertares durante a noite. 

Cannabis medicinal vs. Comparadores ativos 

Há evidências que sugerem que a nabilona (um canabinoide sintético semelhante ao THC) pode proporcionar uma melhora maior nos sintomas de insônia, além de estar associada a um sono um pouco mais repousante, em comparação com a amitriptilina (um antidepressivo).  

Conclusões 

Tendo avaliado as evidências de 39 ensaios clínicos randomizados, os autores desta revisão sistêmica concluíram que há evidência de certeza moderada a alta de que, em comparação com o placebo, a cannabis medicinal ou os canabinoides resultam em pequenas melhorias na qualidade do sono entre pacientes com câncer crônico e não dor oncológica e melhorias pequenas e muito pequenas na perturbação do sono em pacientes com dor crônica não oncológica e pacientes com dor oncológica crônica, respectivamente. 

Esta revisão sistemática é a primeira nesta área a agrupar estatisticamente os efeitos do tratamento da cannabis medicinal e dos canabinoides no sono prejudicado. No entanto, os pesquisadores reconhecem que existem algumas limitações para a pesquisa atual.  

Essas limitações incluem o fato de que a maioria das evidências identificadas foi para canabinoides não inalados em pacientes com dor crônica, o que significa que esses achados podem não ser generalizáveis ​​para formas fumadas ou vaporizadas de cannabis em pacientes com outras condições. Além disso, os pesquisadores não foram capazes de explorar a associação entre as estimativas de dose e efeito, pois a maioria dos ensaios (28 de 39) permitiu a titulação pós-randomização pelos pacientes. Os ensaios elegíveis também não relataram o uso simultâneo de outros medicamentos que podem interagir com a cannabis medicinal e os canabinóides. 

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER