Três mulheres que venceram com a cannabis!

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Pixabay/Erin_Hinterland)

Por João R. Negromonte

Não é de hoje que estudos apontam para o uso medicinal da cannabis como uma terapia alternativa no tratamento de diversas doenças. Dentre elas, estão aquelas que afetam somente o sexo feiminino, como endometriose, câncer de colo de útero, sindrome do ovário policístico e aquelas relacionadas aos efeitos colaterais da menstruação como dores, fadiga, sangramento intenso, dentre outras. 

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

Sabendo disso, entrevistamos três mulheres que fazem uso medicinal da cannabis para algumas dessas patologias. Lubyanka Baltar, Natália Candiago e Poliana Rodrigues são o reflexo do empreendedorismo, força e delicadeza feminina. 

Lubyanka Baltar

A modelo e chef de cozinha Lubyanka Baltar, que participou do programa Masterchef Brasil em 2017, revela que começou a usar o óleo de cannabis em novembro de 2019 para tratar ansiedade. No entanto, ao longo dos anos, ela observou que a planta também era benéfica contra sintomas da TPM. 

(Imagem: Arquivo pessoal)

“Ajudou muito com a oscilação do meu humor e com as cólicas e dores de cabeça decorrentes da TPM. Sem mencionar a melhoria da qualidade de sono. Depois que descobri as propriedades anti-inflamatórias do CBD, nunca mais parei de usar. Hoje, eu tomo uma dose baixa todas as noites antes de dormir e quando entro na TPM, eu dobro essa dosagem por 9 dias,” ressalta Lubyanka. 

A chef destaca também que: “seria incrível ver nas prateleiras das farmácias [o CBD] ao lado dos coletores menstruais, bom para a saúde física, mental e do planeta. Sou fã da potência da planta da cannabis e estou empolgada com as descobertas que o futuro vai proporcionar para a população. Como chef de cozinha, então, são absurdas as possibilidades.”

Natália Candiago

(Foto: Arquivo Pessoal)

Já Natália Candiago encontrou, com o óleo de cannabis, alívio para a endometriose, doença inflamatória provocada por células do endométrio (tecido que reveste o útero). Natural de Caxias do Sul, a estudante de medicina explica que a cannabis proporcionou uma qualidade de vida que jamais imaginou ter antes do uso medicinal da planta:

“Com o uso do óleo, eu me redescobri como mulher, pois o mesmo reduziu significativamente minhas dores e, com isso, consegui realizar atividades que antes eu achava que não era capaz, devido a esses sintomas excessivos,” conta a jovem.

Segundo ela, muitas mulheres sofrem com o mesmo problema e, sem ter o conhecimento de outros recursos para o alívio do sofrimento, acabam por não procurar a cannabis. Entretanto, ela salienta que a informação e a educação podem mudar esse cenário, o que, para ela, “instigaria todas as guerreiras a buscarem alternativas para uma melhor qualidade de vida frente às suas condições de saúde”. 

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Poliana Rodrigues

Outra que também deu seu depoimento sobre os benefícios da cannabis foi Poliana Rodrigues, fundadora da SouBlum, startup criada para desestigmatizar os usos da cannabis na saúde íntima e bem-estar da mulher. Segundo Poliana, o tema é de extrema relevância, pois sua história com a cannabis é exatamente sobre saúde da mulher, controle dos corpos e medicinas não-humanizadas.

(Foto: Arquivo pessoal)

“Em 2019, depois de passar anos sofrendo de enxaqueca pelo tratamento anticoncepcional com hormônios, optei por colocar o DIU de cobre. O problema é que o DIU aumenta a intensidade do fluxo menstrual e das cólicas. Então não demorou muito pra que eu começasse a perder muita qualidade de vida. Logo no início, eu apelei para os tratamentos convencionais, alguns médicos me receitaram anti-inflamatórios cada vez mais fortes, mas, sem sucesso. Eu passei meses que vivi 15 dias seguidos com dores pélvicas, sem conseguir levantar da cama. Então, tive acesso a uma médica prescritora de cannabis e decidi olhar para minha relação com a planta a partir desse espectro de paciente,” diz Poliana, que continua:

“A cannabis não só me trouxe mais saúde e qualidade de vida, mas ela também me ensinou a ser uma paciente e, acima de tudo, ela me oferece uma maneira de eu mergulhar no autoconhecimento. Isso girou a chavinha da autoestima em mim. Entender, acolher e digerir minhas reações biológicas ao mundo é essencial para que eu consiga viver nele e nisso o tratamento me ajuda demais,” e completa:

“A cannabis fez com que eu me enxergasse enquanto corpo e força feminina, me conectou com capacidades criativas que eu nem sabia que tinha. Ela me trouxe muita qualidade de vida e nos últimos anos também me deu o grande privilégio de poder fazer parte de um movimento de transformação e abertura de diálogos. Ela me deu os motivos e a voz necessários para que viva a minha máxima potência enquanto mulher, paciente e empresária.”. afirmou.

Assim, através da histórias de mulheres como Lubyankas, Natálias e Polianas espalhadas pelo mundo, que iremos desmistificar os usos da planta e, talvez, levar um pouco mais de conhecimento, bem-estar e autoestima para mulheres batalhadoras que merecem ser homenageadas não só hoje, mas todos os dias. Afinal, todos os dias são delas. 

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese