Teria uma bebida alucinógena afetado a política no antigo Peru?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Foto: Pexels/cottonbro)

Curadoria e edição Sechat, com informações de Hightimes

Líderes de um império histórico sul-americano usaram uma cerveja misturada com uma substância psicodélica para manter o controle político sobre sua sociedade e comunidades vizinhas, de acordo com pesquisa publicada na última quarta-feira, dia 12/01. 

Em um estudo publicado pela revista Antiquity , os arqueólogos revelaram que os líderes do povo Wari serviam uma bebida parecida com cerveja feita com os frutos da árvore Molle combinados com as sementes da árvore Vilca e serviam a mistura aos convidados em festas comunitárias.

“A experiência psicotrópica resultante reforçou o poder do estado Wari e representa um passo intermediário entre as estratégias políticas excludentes e corporativas”, escreveram os pesquisadores em um resumo do estudo publicado online pela Cambridge University Press . “Este exemplo andino contribui para o catálogo global que documenta a estreita relação entre alucinógenos e poder social.”

Os Wari construíram seu império nas terras altas da Cordilheira dos Andes, no atual Peru, governando a área de cerca de 600-1000 dC e antecedendo o império Inca por quatro séculos. Arqueólogos escavando em Quilcapampa, no sul do Peru, de 2013 a 2017, descobriram a primeira evidência de sementes psicodélicas de Vilca encontradas em um sítio Wari. 

Matthew Biwer, professor assistente visitante de arqueologia no Dickinson College, na Pensilvânia, e principal autor do estudo, disse que a descoberta esclarece como as civilizações indígenas sul-americanas faziam uso de substâncias psicoativas.

“Este foi um ponto de virada nos Andes em termos de política e uso de alucinógenos”, disse Biwer , conforme relatado pela CNN. “Vemos esse tipo de uso de alucinógenos como um contexto de uso diferente do que em civilizações anteriores, que parecem ter guardado de perto o uso de alucinógenos para alguns seletos, ou o último Império Inca que enfatizou o consumo em massa de cerveja, mas não usou substâncias psicotrópicas como Vilca em festas.”

As civilizações pré-colombianas usavam Vilca, muitas vezes inalado como rapé, há 4.000 anos. As sementes contêm a substância psicodélica dimetiltriptamina, bem como a bufotenina, uma substância semelhante ao neurotransmissor serotonina. 

“O que li de fontes etnográficas é que você tem uma sensação muito forte de voar”, disse Biwer à Inverse .

Anfitriões da festa governam o império

Pesquisas anteriores revelaram que os Wari usavam festas e cerveja como forma de exercer controle político sobre os convidados das comunidades vizinhas. Pesquisadores do sítio de Quilcapampa descobriram evidências de que os Wari estavam fazendo cerveja Molle, chamada Chicha, em quantidades substanciais. Restos botânicos de Molle e Vilca foram encontrados e cerâmicas foram descobertas no centro do local, uma indicação de onde as festas eram realizadas, segundo os autores do estudo.

“Os Wari adicionaram a vilca à cerveja chicha para impressionar os convidados que não puderam retribuir a experiência”, disse Biwer. “Isso criou uma relação endividada entre anfitriões e hóspedes Wari, provavelmente da região circundante.”

“Argumentamos que a festa, a cerveja e a Vilca serviram para criar e consolidar conexões sociais entre os povos afiliados aos Wari e os locais à medida que o Império se expandia”, continuou Biwer. “Também foi uma maneira de os líderes Wari demonstrarem e manterem o poder social, econômico e político.”

O povo Wari, que governou grande parte da costa peruana entre 600 e 1000 d.C., usava este jarro para armazenar uma bebida conhecida por chicha, que era parecida com cerveja. (Foto: Reprodução/Museo Nacional de Arqueologia, Antropologia e história do Peru

Biwer explicou que os convidados sofreriam pressão social para reconhecer o poder de seus anfitriões Wari e sentiriam a obrigação de retribuir o favor no futuro. 

“Há poder político em poder adquirir e usar essas substâncias alucinógenas e proporcionar essas experiências”, disse Biwer. “Acho que é um bom exemplo da conexão entre política, uso de drogas, intoxicação e laços sociais.”

Os pesquisadores ainda não descobriram por que a civilização Wari acabou falhando. Mas à medida que continuam a estudar os locais habitados pela civilização pré-colombiana, estão aprendendo mais sobre como viviam os primeiros habitantes do Peru.

“O Império Wari se estendia do norte do Peru ao extremo sul, perto da fronteira chilena, e da costa às áreas montanhosas dos Andes”, explicou Biwer. “É o primeiro exemplo de um império na América do Sul, tendo desmoronado cerca de 400 anos antes da ascensão do Império Inca.”

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese