O que os outros países nos ensinam sobre a cannabis?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Curadoria e edição Sechat, com informações de Revista Trip (Por Fabricio Pamplona)

Com o passar do tempo, aprendemos a nos acostumar com a ideia de que certas posturas que pareciam inaceitáveis se tornam cotidianas. É típico do ser humano. Reage mal ao estranho, depois se acostuma. Quando o assunto é Cannabis, está esculpido no imaginário da minha geração que a maconha é liberada na Holanda. Cresci com a ideia de um país em que a liberdade era tão grande que existiam lugares apropriados onde as pessoas podiam se drogar. Ouvi isso do meu pai, que havia passado um tempo na Europa na década de 80, quando eu tinha poucos anos de idade. Ele voltou contando histórias incríveis, não só sobre coffeshop – um assunto que ele contava com um certo ar de segredo –, mas também que no mesmo país os policiais podiam usar brinco e se via cachorros (com seus donos) até mesmo dentro de supermercados. “Uau, esse lugar deve ser interessante” – era o que eu pensava. Talvez não por acaso Amsterdam tenha sido meu primeiro destino internacional quando comecei a viajar com as próprias asas.

É comum pensarmos o uso de drogas a partir desse lugar quase mítico, das “liberdades ilimitadas”. E, devagarinho, ao conhecer mais sobre o tema, a gente descobre que existe a Cristiânia, na Dinamarca; que Portugal é ainda mais libertário (ou melhor, pragmático) que a Holanda nessa questão; que na Indonésia você pode pegar pena de morte por fumar maconha, mas ao mesmo tempo cogumelos alucinógenos são vendidos em qualquer quiosquezinho das Gilli Islands. Cada lugar com suas idiossincrasias, e assim vai. Você pode até acabar concluindo que a relação do ser humano com as drogas é fruto de pura construção cultural. E que “certo ou errado”… Bem, depende. 

Um fast forward pros anos atuais e a gente se depara com a realidade inegável de que o mundo está mudando o posicionamento sobre esse tema, particularmente em relação à maconha, com a própria ONU se declarando a favor da sua reclassificação como uma planta medicinal, ao invés de persegui-la como uma planta proibida. Dezenas de países com diferentes heranças culturais têm atualizado suas regulamentações deste tema com maior ou menor grau de arrojo. Isso inclui o Brasil, embora muitas vezes eu ainda tenha que explicar pras pessoas que já é completamente lícito usar Cannabis para fins medicinais com prescrição médica no país desde 2016. 

>>> Participe do grupo do Sechat no TELEGRAM e receba primeiro as notícias

É a nossa mentalidade de exceção que tende a pensar que só “é OK” na Holanda, e, mais recentemente, no Canadá e no Uruguai. Aliás, estes dois últimos países tiveram uma experiência tão bem sucedida com a regulamentação da Cannabis medicinal que decidiram evoluir um pouco mais e experimentar a regulamentação do uso adulto de maneira indiscriminada. O terceiro país que está nesse caminho é o México, que é tradicionalmente associado ao narcotráfico (pra quem não conhece a história, sugiro a série “Narcos”). É aí que muitas pessoas bugam, não entendem, ou possuem anticorpos culturais tão profundos que disparam a falar que “a regulamentação da Cannabis medicinal é somente uma desculpa para liberar a maconha”. Te convido a entender a questão um pouco mais a fundo. As conexões entre essas questões da Cannabis são um pouco difusas, já que os derivados da planta são usados em contextos diferentes, que variam de medicamento a alimento, e, em alguns casos, até religioso.

Há quem diga que essa distinção entre os usos é meramente conceitual, e até hipócrita, e reforça o coro oposicionista de que “não existe Cannabis medicinal”, já que a planta é uma só. Eu estou um pouco em cima do muro nessa questão porque, apesar de compreender de onde vem essa frase, acredito que a finalidade de uso orienta a composição e define bastante sobre os efeitos que se obtém da planta. Mas, sem entrar no mérito dessa questão, que é secundária, queria lhe expor a um exemplo do meu cotidiano, para mostrar como nem tudo é “preto no branco”. São vários tons de cinza.

Este texto abaixo é de um e-mail que recebi recentemente, transcrito na íntegra.

Bom dia Dr. Fabrício 

Vi sua aula de farmacogenética no canal Moveram UNIFESP.

Faço uso de medicação para dormir devido à dor crônica na cervical.

Depois de 17 anos de RPG e acupuntura, combinados a Clomazepam 2 mg e Bromazepam 6 mg, decidi por cirurgia na cervical. Diminuiu a dor, mas continuo com dores e dificuldade para dormir.

Há uns 2 anos fiz uso recreativo da cannabis e, por surpresa, tive sono prolongado e acordei bem. Cheguei a fazer uso outras vezes, sempre com resultado satisfatório.

Gostaria de retirar a medicação que uso, visto os efeitos colaterais não serem agradáveis.

Peço orientação e indicação para possível tratamento com cannabis medicinal.

Grato pela atenção.

>>> Inscreva-se em nossa NEWSLETTER e receba a informação confiável do Sechat sobre Cannabis Medicinal

O e-mail termina com o nome da pessoa e todas as formas possíveis de contatá-la. Não é incomum receber relatos assim, com experiências prévias ou recentes, em que o “estado de bem-estar” vivenciado pelo indivíduo sob o uso da planta ganha ares de efeito terapêutico. O sujeito já está medicado, tem um problema de saúde crônico que não passa com nada, nem com cirurgia. De repente, por uma experiência “recreativa” – como ele descreve –, despretensiosa, a pessoa encontra alívio das suas dores e consegue dormir profundamente e acorda bem.

Mas quem escreve um e-mail para um ilustre desconhecido só pra dizer que “dormiu e acordou bem”? Pois é, imagina o quanto essa situação deve ter sido inusitada… Falando em bom português: o camarada resolveu fumar um baseado e de repente encontrou sua cura. É aí que, meu chapa, as coisas se misturam.  

Não estou aqui defendendo que esse é o uso medicinal correto, longe disso. Estou dizendo que essa planta é usada como narcótico por pessoas que buscam novas experiências e, entre elas, pode estar o bem-estar. O uso adulto e responsável é possível, e frequentemente a gente se depara com casos assim. Há quem defenda uma postura como essa para todas as substâncias, como é o caso do Dr. Carl Hart, pesquisador da Universidade de Columbia que declarou que considera o uso de drogas “parte do direito individual e da busca à felicidade”. Quem tiver interesse em conhecer suas ideias polêmicas, sugiro o livro Drogas para Adultos, recentemente publicado no Brasil. O autor tem experiências pessoais positivas com drogas, mas também tem pessoas na família que tiveram problemas com o uso dessas substâncias. Ou seja, viu os dois lados da moeda.

Esta semana surgiu mais um fato inusitado nessa história toda. O Paraguai, nosso vizinho hermano que também é muito associado ao tráfico de drogas, sobretudo uma rota internacional de maconha para o Brasil através do Mato Grosso, realizou um feito grandioso: a primeira exportação de cânhamo da América Latina para a Europa.

Isso quer dizer que o país começa a subverter seu passado histórico de conexão com esse tema, saindo por cima de todos os vizinhos, atendendo aos exigentes padrões de qualidade europeus, que usam as sementes de cânhamo e derivados como gênero alimentícios, e produzindo em larga escala por uma fração do preço praticado pelos concorrentes na Europa e nos Estados Unidos. É isso, um produto latino-americano e que vai ganhar o mundo por ter competitividade. Já são milhares de hectares de cânhamo plantados. O Paraguai é um país de tradição agrícola, sem dúvida, mas desnecessário enfatizar por que o Brasil teria maior potencial e deveria ter dado esse passo antes. Continuamos atrás e sem muita perspectiva real, dada a nuvem de conservadorismo retrógrado que paira sobre o nosso país.

>>> Participe do grupo do Sechat no WHATSAPP e receba primeiro as notícias

Eu falei que não era muito fácil de entender os limites difusos entre droga, terapia e alimento. Mas quando países historicamente associados ao narcotráfico, como México e Paraguai, conseguem se desfazer de todos os traumas dessa relação, lamber as feridas e rever os preconceitos associados a essa planta para encará-la de modo mais pragmático e positivo; olha, eu diria que é um baita convite à reflexão. 

O mundo está avançando, e o Brasil está acompanhando essa revolução como um espectador nas fileiras distantes do palco principal. Temos muito a aprender e empreender. 

Veja também

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese