Estudo mostra que usuários de psicodélicos tiveram menos estresse durante bloqueios de pandemia

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
(Créditos da imagem: Pexels/Monique Laats)

Curadoria e edição Sechat, com informações de Hightimes

Um estudo sobre o impacto do surto de COVID-19 na saúde mental descobriu que os usuários de psicodélicos experimentaram menos estresse durante a pandemia do que aqueles que não usaram nenhuma substância. 

Antes da pandemia, aproximadamente 8,5% dos adultos norte-americanos relataram estar deprimidos. Mas à medida que a nação experimentava o medo, bloqueios e isolamento associados ao surto de COVID-19, o número disparou para 27,8%, de acordo com os dados publicados no ano passado. O professor Sandro Galea, reitor da Escola de Saúde Pública da Universidade de Boston, disse que o impacto na saúde mental causado pela pandemia não tem precedentes.

“Observou-se que a depressão na população em geral após eventos traumáticos de grande escala anteriores, no máximo, dobrou”, disse ele após publicar pesquisas sobre aspectos de saúde mental da pandemia no ano passado.

Os níveis de ansiedade também aumentaram durante a pandemia, com relatórios de pesquisadores um aumento de 14% na ansiedade entre os residentes dos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e Austrália.

Psicodélicos e Depressão

Outra pesquisa mostrou que as drogas psicodélicas, incluindo a psilocibina, têm potencial como tratamento para problemas de saúde mental, incluindo depressão, ansiedade e dependência. Para saber se o uso de psicodélicos afetou o impacto que a pandemia do Corona vírus teve na saúde mental, pesquisadores afiliados a organizações na Holanda, Espanha e Brasil conduziram um estudo sobre como o uso anterior de psicodélicos afetava a saúde mental. O estudo foi realizado de abril a julho do ano passado, quando grande parte do mundo estava sob bloqueio para ajudar a conter a propagação do vírus.

Os pesquisadores realizaram uma pesquisa online com 2.974 pessoas, com a maioria dos entrevistados morando na Espanha, Brasil e Estados Unidos. Entre os participantes, 497 disseram que usaram regularmente substâncias psicodélicas, 606 eram usuários ocasionais e 1.968 disseram nunca ter usado. Durante o período do estudo, a maior parte dos Estados Unidos e da Espanha estavam confinados, embora não fosse o caso no Brasil.

A pesquisa perguntou aos participantes sobre o uso de drogas psicodélicas, incluindo psilocibina, peiote, MDMA, ayahuasca, LSD, San Pedro e 5-MeO-DMT, antes e depois do início do surto, bem como informações sobre os ambientes em que os componentes foram usados. Os participantes do estudo também responderam a uma série de questionários sobre sofrimento psicológico, apoio social percebido, sintomas de estresse pós-traumático, estado psicológico e medidas de personalidade.

“Usuários de psicodélicos, especialmente os regulares, relataram menos sofrimento psicológico, menos estresse peritraumático e mais apoio social”, escreveram os autores do estudo .

Metade dos participantes que usaram psicodélicos disse que o uso anterior das substâncias teve um impacto positivo significativo em sua capacidade de lidar com o estresse associado aos bloqueios. Cerca de um terço (35%) disse que o uso anterior de psicodélicos não afetou sua capacidade de enfrentamento, e 16% disseram que sua experiência com os compostos teve um pequeno impacto benéfico.

Usuários de drogas psicodélicas também relataram ter mais acesso a espaços ao ar livre, onde passam grande parte do tempo. Usuários regulares também relataram mais envolvimento com atividades como música, meditação, ioga e pilates, enquanto aqueles que não usam psicodélicos disseram que passaram mais tempo fazendo exercícios aeróbicos, jogando videogame e assistindo televisão, filmes e cobertura de notícias relacionadas ao COVID 19 pandemia. 

Os usuários regulares também foram menos propensos a seguir as medidas de saúde pública sugeridas, como o uso de máscaras faciais e luvas. Em testes de personalidade, as pessoas que relataram o uso de psicodélicos pontuaram mais alto nas escalas para busca de novidades e autotranscendência, e mais baixo para cooperatividade.

Correlação ou causalidade?

O estudo também revelou outras consequências da pandemia que podem ter impacto na saúde mental. Quase um quinto dos participantes relatou ter perdido o emprego, enquanto quase metade disse que sua renda havia diminuído durante o surto.

Os pesquisadores escreveram que, embora os usuários de psicodélicos relatem ter experimentado menos estresse durante a pandemia, não está claro se as drogas são responsáveis ​​pela diferença. Eles pediram pesquisas continuadas, observando que outros fatores, incluindo mais acesso a espaços ao ar livre, hábitos alimentares mais saudáveis ​​e gastar menos tempo assistindo ou ouvindo notícias sobre a pandemia também podem ter um impacto na saúde mental.

“Nossos resultados mostraram que usuários regulares de psicodélicos tinham menos estresse psicológico e algumas diferenças de personalidade quando comparados a usuários ocasionais e não usuários”, concluíram os autores do estudo. “Isso sugere que o uso dessas substâncias pode ser um fator de proteção em si ou que pessoas com certas características anteriores são mais propensas a usar psicodélicos com frequência”.

Um artigo sobre a pesquisa, “Associações transversais entre o uso de drogas psicodélicas e medidas psicométricas durante o confinamento COVID-19: um estudo transcultural”, foi publicado online pela revista especializada Frontiers in Psychiatry.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese