Entenda as oportunidades e desafios do mercado de alimentos com CBD

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Traduzido do site Natural Product Insider

A previsão é de que alimentos e bebidas à base de CBD ocupem muitas prateleiras dos supermercados dos EUA, varejistas de massa e outros lugares onde os americanos compram diariamente bens de consumo.

A BDS Analytics, uma empresa de pesquisa de mercado, estima que o mercado de alimentos e bebidas com infusão de canabinoides chegará a US$ 5,9 bilhões até 2024 em todos os canais, incluindo dispensários de Cannabis. Isso representa um aumento de US$ 906 milhões em vendas projetadas em 2019, com US$ 560 milhões, ou cerca de 62%, provenientes de dispensários, disse Jessica Lukas, vice-presidente sênior de desenvolvimento comercial da BDS Analytics.

Dispensários, comerciantes on-line, mercearias e varejistas de massa, como Target e Walmart, estão entre os canais de distribuição onde os alimentos e bebidas com infusão de canabinoides estão prestes a proliferar.

Os principais varejistas têm relutado em transportar produtos de CBD ingeríveis à base de cânhamo devido à posição da FDA (Food and Drug Administration) de que o CBD não pode ser adicionado a alimentos convencionais ou comercializado como suplemento dietético. É esperado que isso mude se o FDA emitir regulamentos que autorizam o CBD a ser vendido em alimentos, bebidas e suplementos.

“Ao olharmos para os próximos cinco anos, antecipamos a abertura do mercado”, diz Lukas.

Em uma conferência em fevereiro de 2020, o principal funcionário da FDA descreveu como um “jogo de tolos” qualquer tentativa de manter os produtos CBD longe do povo norte-americano.

“Não poderemos dizer: ‘Você não pode usar esses produtos'”, diz Stephen Hahn, que começou a servir como comissário da FDA em dezembro de 2019. “Mesmo que você o faça, é um jogo de tolos.’”

Muitas marcas estabelecidas de CPG (Consumer Packaged Goods) provavelmente ‘salivam’ diante do potencial do mercado total de canabinoides nos EUA, que a BDS Analytics estima que será de US$ 46 bilhões até 2024. O CBD, incluindo produtos de canabidiol vendidos em dispensários, deverá representar US$ 20 bilhões dessa quantia robusta.

“É muito grande para ignorar muitas dessas empresas”, afirma Lukas.
No mercado de F&B (Food & Beverage), a perspectiva de um mercado de CBD regulado federalmente é apenas um fator que gera interesse em produtos à base de canabinoides.

Em junho de 2019, 14 estados e territórios aprovaram Cannabis para uso adulto, enquanto 33 estados, o Distrito de Columbia, Guam, Porto Rico e Ilhas Virgens aprovaram programas de maconha medicinal, de acordo com a Conferência Nacional de Legislaturas Estaduais. Muitos dispensários vendem gomas, chocolates, biscoitos e outros produtos comestíveis.

A BDS Analytics mantém relações com muitas empresas de CPG, varejistas e outras grandes empresas que estão de olho no mercado de alimentos e bebidas à base de canabinoides. Lukas observou que o CBD e o THC são apenas duas das mais de duas dúzias de canabinoides promovidos em embalagens de produtos em dispensários.

“As empresas já estão investigando e pesquisando não apenas o CBD, mas o que mais a fábrica pode fornecer”, destaca.

Muitas empresas de F&B investigaram o mercado de CBD diretamente após a aprovação do Farm Bill de 2018, disse Lukas. A legislação removeu o cânhamo e seus derivados da Lei de Substâncias Controladas (CSA), e o mercado esperava que o FDA permitisse expressamente que o CBD fosse vendido em alimentos.

O FDA, no entanto, levantou preocupações de segurança sobre produtos CBD não aprovados, e não revogou sua posição de que o CBD é um ingrediente ilegal em alimentos e suplementos, porque foi estudado pela primeira vez como medicamento.

“Agora que o FDA ainda não divulgou como regulará o CBD como aditivo alimentar ou para produtos ingeríveis, algumas empresas disseram: ‘OK, vamos parar por um momento’, enquanto outras empresas viram isso quase como uma oportunidade”, diz Lukas.

Marcas que examinaram a viabilidade de entrar no mercado de CBD não têm a mesma estratégia. Enquanto algumas empresas que têm relacionamento com a BDS Analytics se descrevem como “conservadoras” e não planejam entrar em campo, outras que foram informadas de que não podem fazer nada e que acompanhando os desenvolvimentos.

“É necessário manter-se atualizado”, afirma Lukas, que acrescentou que “a maioria das empresas” se enquadra nessa categoria.

Outros já avançaram com produtos ou parcerias. Weller, no Colorado, começou a desenvolver uma água com gás com infusão de CBD em 2018.

A água com gás, que contém 25 mg de CBD por porção, é classificada como número 1 em bebidas carbonatadas com base em dados da SPINS, de acordo com o co-fundador da Weller, Matt Oscamou.

“Vimos todo mundo, desde mileniais até os baby boomers, apreciando nosso produto e consumindo-o regularmente”, afirma.

Quando Oscamou e seu cofundador, John Simmons, estavam desenvolvendo a marca Weller, eles se concentraram em maneiras de levar as pessoas a usar o CBD regularmente.

“Como podemos ter ressonância com as pessoas que procuram maneiras mais funcionais e convenientes de inserir o CBD em suas rotinas diárias?”, questionou Oscamou.

“Se você estiver em uma reunião estressante ou se as coisas estão devagar no trabalho e você tem prazos, não vai retirar uma garrafa de tintura no meio da reunião, mas você teria uma água com gás”, diz.


Outros mercados

O mercado de nutrição esportiva é outra área em que o CBD em alimentos e bebidas é promissor. Em outubro de 2019, a Canopy Growth Corp. anunciou a compra da participação majoritária na BioSteel Sports Nutrition Inc., cujos produtos para nutrição esportiva foram comprados pelas principais ligas esportivas da América do Norte e endossados por atletas como “The Great One” – lenda da NHL Wayne Gretzky.

“Essa aquisição nos permite entrar no espaço de nutrição esportiva com uma marca forte e crescente, à medida que continuamos em direção a um mercado regulamentado de alimentos e bebidas que contêm Cannabis”, diz o CEO da Canopy Growth, Mark Zekulin, em comunicado à imprensa no momento da aquisição.

Em 2018, a Constellation Brands – fabricante das cervejas Corona e Modelo – anunciou aumentar seu investimento em Canopy Growth para 38%. As empresas de bebidas alcoólicas, que Lukas disse que em alguns casos estão enfrentando problemas de crescimento, estão entre as interessadas no mercado de canabinoides.

No Canadá, que legalizou a maconha, a Canopy Growth desenvolveu uma série de bebidas com água com gás sob a nova marca Quatreau, disse a porta-voz da empresa, Laura Nadeau. Quatro bebidas diferentes contêm 20 mg de CBD, enquanto outras duas contêm 2 mg de THC e 2 mg de CBD por lata.

Embora seja provável que uma pessoa beba uma garrafa inteira de água como porção, o setor de alimentos canábicos enfrenta desafios únicos apenas com base na maneira como as pessoas consomem os comestíveis.

“Você não se senta e come uma barra inteira ou um pacote inteiro”, observou Lukas, da BDS Analytics. “A dinâmica do consumo é muito diferente para um chiclete com infusão de canabinoides em comparação com um pacote de gomas azedas que você compra em uma loja de conveniência.”

Conseguir que as pessoas comprem regularmente um F&B com infusão de CBD também é um desafio, porque os consumidores que estão comprando CBD para obter um benefício funcional geralmente o tomam como um suplemento dietético, disse Claire Morton Reynolds, analista sênior do setor no Nutrition Business Journal (NBJ).

Mesmo um comprador regular de uma barra de chocolate ou água, provavelmente, comprará o produto mais esporadicamente – talvez uma vez por semana ou uma vez por mês – em comparação com alguém que está usando uma tintura duas vezes por dia, observou Morton Reynolds.

Ainda assim, o NBJ estima que o mercado de CBD à base de cânhamo para alimentos e bebidas nos canais orgânico e natural mais que dobrará em 2019 para US$ 18 milhões e atingirá US$ 185 milhões em 2023. Em comparação, o NBJ estima que o mercado de suplementos à base de cânhamo alcançará US$ 2,8 bilhões até 2023.

A Weller e outras marcas relutam em discutir os benefícios funcionais para a saúde do CBD relatados pelos consumidores devido, em parte, aos regulamentos da FDA. Mas Oscamou está otimista de que mais testes não relacionados a drogas no CBD serão realizados, ajudando as marcas a compartilhar mais informações com os consumidores sobre seus produtos.

“A paisagem mudou”, diz Oscamou. “Quando começamos isso há dois anos e meio, a grande pergunta era: ‘O que é CBD? O que isto pode fazer por mim?’ E foi um momento complicado, porque não sabíamos como responder a isso sem incorrer em riscos regulatórios.

Mas os consumidores se tornaram mais instruídos sobre o CBD e sabem o que estão procurando”, diz ele.

Randy Kreienbrink, vice-presidente de marketing da BI Nutraceuticals, fabricante de ingredientes à base de plantas, disse acreditar que estudos futuros mostrarão que o consumo de toda a planta de cânhamo – como alimentos e bebidas que contêm fibra de cânhamo, proteína e CBD – é benéfico para o conjunto saúde e bem-estar.

A indústria “definitivamente ainda não está lá”, reconheceu em uma entrevista.

Espera-se que gigantes da indústria de alimentos e bebidas entrem na Fortune 500 quando os regulamentos e a ciência amadurecerem.

Quando perguntados sobre a perspectiva de grandes empresas de CPG que ocupam o espaço da CBD, Oscamou respondeu: “Somos os que são capazes de construir marcas nesse nível pequeno.”

Ele sugeriu que o Justin’s em Boulder é um exemplo desse sucesso, apesar de ter que competir com grandes marcas estabelecidas. Em 2004, o fundador Justin Gold começou a criar os primeiros lotes de suas manteigas de nozes na cozinha de sua casa.

Alguém poderia ter perguntado por que Justin estava “enfrentando Skippy e Jif”, observou Oscamou. “Mas a resposta é que há demanda do consumidor por marcas autênticas que têm uma pessoa real por trás delas e não apenas um grande gigante corporativo.”

Oscamou disse que não está preocupado com as grandes empresas de CPG que entram no mercado de CBD. “Eu sei que eles estão interessados nisso”, diz ele. “Mas temos uma boa afinidade da marca com os consumidores e é nisso que estamos focados – em construir e manter.”

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

ASSINE NOSSA NEWSLETTER PARA RECEBER AS NOVIDADES

ASSINE NOSSA NEWSLETTER
pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese